Power Jump

logo_powerjumpPower Jump®, programa desenvolvido pela Body Systems que proporciona condicionamento físico, alto gasto calórico e melhora da postura utilizando o mini-trampolim. As músicas são explosivas e as coreografias simples e com uma ótima didática, permitindo você chegar ao melhor do seu potencial. Power Jump®! A aula que vai fazer com que você de um salto de qualidade em sua vida e te impulsione em direção aos ótimos resultados!

Benefífcios

  • 60 minutos de muita diversão num treinamento coletivo;
  • aumento da força muscular dos membros inferiores (músculos das pernas);
  • aumento e melhora da contração de estabilizadores (abdominal e lombar);
  • gasto calórico de até 700 K/cal;
  • melhora da condição cardio vascular;
  • melhora das habilidades motoras;
  • aumento da concentração;
  • aumento do equilíbrio corporal, devido ser uma modalidade também com objetivo proprioceptivo, etc.

Dicas

fot_pjumpNos dias de hoje é muito evidente a procura por uma academia que ofereça uma aula de ginástica ou um treinamento coletivo que seja divertido, de fácil execução e que dê resultado. O POWER JUMP chegou ao mercado fitness para suprir essa necessidade, através da utilização do mini-trampolim, um equipamento que desperta nos alunos muita curiosidade e vontade de experimentar.

Uma aula de 60 minutos com gasto calórico de até 700 K/cal onde as pessoas podem realizar movimentos simples, dinâmicos e que as transportam a recordar a infância. Atividade que transpira muita alegria e diversão, mas sem perder a segurança.

Perguntas e Respostas

1. Quais os cuidados que devem ser tomados para pessoas que usem prótese de silicone?

Embora não existam amostras científicas específicas a respeito, as indicações são baseadas no conforto e proteção máxima dos praticantes. Assim como para as mulheres em geral é indicado o uso de tops de lycra ou material similar reforçado e para os homens sungas ou shorts com suporte extra; é prudente que portadores de próteses de silicone tenham os mesmos cuidados. É impreterível também que se peça orientação individualizada do médico a fim de receber conselhos e outras providências necessárias e até mesmo a liberação para a prática do Power Jump.

2. Quanto em média é absorção do impacto nos passos realizados sobre a superfície elástica (mini-trampolim) em comparação com a base rígida (solo)?

Obedecendo a correta “técnica de aterrissagem”, ensinada pelos Professores Certificados, o mini trampolim possibilita 80% de absorção do impacto.

3. Power Jump acaba com a celulite?

Por se tratar de uma atividade de alta contração dos membros inferiores, ocorre uma forte

estimulação da drenagem linfática, auxiliando no combate à celulite. Mas isto é um auxílio, alimentação e prática regular de atividade física são imprescindíveis.

4. Quantas calorias é possível gastar durante uma aula de Power Jump?

Depende muito da força e técnica empregadas ao empurrar a superfície elástica, mas estima-se entre 400 a 700 calorias. Indivíduos muito treinados são capazes de alcançar valores próximos de 900cal. (durante 60 minutos de aula).

5. Power Jump emagrece?

Pelo alto gasto calórico e por se tratar de uma atividade predominantemente aeróbica, uma grande quantidade de gordura é utilizada como fonte de combustível, o que significa que é uma atividade bastante efetiva no processo de emagrecimento.

6. Quanto tempo necessito para me sentir confortável na aula?

Por se tratar de uma atividade relativamente nova, é necessária uma adaptação por parte do praticante, estimada hoje em duas semanas, com número de 3 x por semana, onde da primeira aula para a segunda já são observadas significativas evoluções. Estas adaptações são possíveis a qualquer aluno, mesmo a aqueles que não praticam atividade física há muito tempo.

7. Porque não posso chamar o mini-trampolim de cama elástica ou caminha?

Embora a cama elástica seja a mãe da modalidade, o mini-trampolim tem como objetivo central EMPURRAR a superfície elástica através de uma forte contração dos membros inferiores, já a cama elástica tende a promover os saltos, o que devemos evitar no Power Jump.

8. É possível ou conveniente fazer aulas de Power Jump descalço?

É necessária a utilização de tênis, pois ele garante uma melhor aterrissagem dos pés sobre a superfície elástica, garantindo também uma melhor segurança aos participantes.

9. Por que não se deve descer do mini-trampolim durante a aula?

Na fase área dos movimentos, existe uma descompressão dos estabilizadores e as articulações envolvidas dos membros inferiores (tornozelo e joelho) também se encontram mais relaxadas, o que pode gerar um certo desconforto ao descer nos mesmos antes de realizar movimentos de soltura corporal e relaxamento. Os Professores Certificados estão aptos a darem estas instruções de segurança a seus alunos.

10. As dores na região abdominal são normais para os praticantes iniciantes?

Pequenas dores musculares podem ocorrer devido à variação da utilização dos músculos abdominais. Felizmente é apenas aquela “dorzinha gostosa” que sentimos após as primeiras sessões de uma atividade para a qual nosso corpo não está acostumado. Em poucas aulas o aluno se acostuma e esta sensação desaparece, mesmo o exercício continuando a fazer os efeitos desejados.

11. Quais os benefícios para o aluno fazer Power Jump?

Melhora da condição cárdio vascular, melhora das habilidades motoras, aumento da concentração, aumento do equilíbrio corporal devido ser uma modalidade também com objetivo proprioceptivo, etc.

12. O que diferencia o Power Jump das outras de Jump?

Gráfico da aula estabelecido pelo equilíbrio dos movimentos com força de aplicação em 1 ou 2 pernas, coreografia simples e motivante, músicas de alta qualidade e a força constante de membros inferiores ao empurrar a superfície elástica para baixo e não saltar para cima.

13. Como conciliar o trabalho da musculação com as aulas de Power Jump?

Basta intercalar os grupos musculares exigidos. Por exemplo, quando fizer uma aula de Power Jump não realizar movimentos que exijam muita força de membros inferiores, de preferência intercalar o trabalho em dias alternados.

14. Após a gestação, qual o tempo ideal de retorno para as aulas de Power Jump?

Nossa resposta é bem simples: depois que você seja autorizada pelo seu médico a retornar as atividades físicas e após isso uma adaptação confortável pelo equipamento.

Inicie com as clínicas ou com pequenos movimentos em cima do mini-trampolim.

Não esqueça também que é preciso estar confiante e totalmente confortável no equipamento.

15. Portadores de hérnia na coluna podem praticar o Power Jump?

Pessoas portadoras de qualquer tipo de hérnia ou patologia vertebral nós indicamos primeiramente que faça uma avaliação clínica para saber exatamente o que compromete não só as atividades físicas que venham praticar como suas “posturas” adotadas durante o cotidiano.

Após este parecer é preciso definir junto ao seu professor as limitações de execução de cada movimento da atividade desejada para que não haja o desconforto e seguidamente dores locais.

O Power Jump é uma atividade muito divertida e totalmente segura, mas nestes casos toda atenção é importante.

16. Meu professor me disse que não posso saltar na base, por quê?

Para nos mantermos em equilíbrio e com uma força constante nos músculos das pernas e estabilizadores (abdominal e dorsal); precisamos continuar com o contato do pé de apoio com a superfície elástica para empurrá-la para baixo mantendo estas forças em atuação. Caso ocorra o contrário, “saltar na base”, correrá o risco de perder o equilíbrio com a probabilidade até de cairmos do mini-trampolim e não trabalharmos nossa musculatura como deveríamos.

Algumas pessoas comentam que a sensação de “saltar na base” parece ser um trabalho mais efetivo; isso é devido à flexão excessiva que se faz com o quadril durante a aula, a articulação e a musculatura flexora desta região acabam sofrendo um stress que ao chegar ao final da aula estará “morto de cansado”, mas não pelo trabalho equilibrado entre toda musculatura do seu corpo, e sim por apenas uma única musculatura e articulação que trabalhou por muito tempo sem descanso.

17. Quantas aulas são necessárias para um aluno se adaptar ao Power Jump?

Depende de indivíduo para indivíduo, pois alguns já freqüentam outras atividades o que adianta muito sua adaptação. Para pessoas sedentárias com certeza o tempo para adaptação é maior.

Com certeza as clínicas realizadas nas academias ajudam neste processo.

18. Porque a aula de Power Jump dura no máximo 55 minutos? Ela pode ser considerada “fraca”?

Primeiramente é prudente que o professor e os alunos tenham um tempo mínimo para organizar a sala de aula: posicionando os mini-trampolins, ajustando a distância entre os mesmos, verificar se os alunos estão com as garrafinhas de água cheias e iniciar uma comunicação entre os alunos.

A intensidade da aula não será justificada pelo tempo total, mesmo porque uma parcela de alunos se afastam das aulas de mini-trampolim por não conseguir “agüentar o pique” até o final da aula, e sim pelo tempo correto de treinamento.

Uma carga progressiva de intensidade na aula já é programada através do volume de treinamento, ou seja, conquista de benefícios através da repetição segura e motivante.

Parcela decisiva num perfeito resultado com a aula de Power Jump é a atuação do professor no entendimento e aplicação da técnica correta e sua instrução direcionada tanto aos alunos experientes como aos novatos; isso é um diferencial no dia-a-dia.

19. Como posso observar minha evolução nas aulas de Power Jump?

A paixão e a satisfação em voltar para a academia com a necessidade de praticar e treinar Power Jump, já são sinais vitais desta evolução. Ainda, conseguir chegar ao final da aula com um gostinho de quero mais, fortalece esta habilidade.

O Power Jump tem a grande característica de ser simples, por isso as nossas aulas têm um grande número de praticantes.

No POWER JUMP você também observa que evolui das primeiras aulas quando o praticante consegue se manter em cima do mini-trampolim executando os movimentos sem perder o equilíbrio (aumentar a propriocepção), ou seja, uma maior centralização pisando adequadamente na superfície elástica, ou quando consegue ao realizar todos os movimentos de ataque com os dois pés uma efetiva ação dos flexores do quadril e dos joelhos. A satisfação do aluno em completar toda a aula é um resultado importantíssimo.

20. Após as aulas de Power Jump é comum percebermos as varizes inchadas?

Não existem relatos comprovados sobre este fato. Desse tipo de problema relacionado à circulação, ou qualquer outro, observa-se que são “opiniões” clinicas. Problemas de circulação são questões muito particulares que se diferenciam de indivíduo para indivíduo, e que o histórico do mesmo é tão importante quanto à prática da atividade física no auxílio de qualquer obstrução.

21. Caso estoure uma das molas que segura a superfície elástica do mini-trampolim, devo parar imediatamente?

É extremamente importante que seja notado o fato no momento que aconteça e observar se a mola bateu em alguém, a tendência é a mola subir.

Caso tenha trampolins sobrando tente trocar por outro e notificar o professor ou responsável pelo ocorrido.

Há uma série de cuidados que devem ser tomados para proteger os alunos deste tipo de ocorrência, mas devemos entender que cada uma delas tem seu responsável.

A Body Systems cuida da formatação das aulas e do treinamento dos professores e nos responsabilizamos por qualquer conseqüência devido a falhas nestes pontos.

Quanto aos equipamentos, a responsabilidade é dividida entre a academia e o fabricante do mesmo:

-a academia deve se preocupar em adquirir um equipamento compatível com a modalidade e sua freqüência de utilização; bem como com a manutenção periódica de acordo com instruções dadas pelos fabricantes.

-o fabricante deve se responsabilizar que o equipamento não quebre em caso de utilização adequada na academia e enquanto ele estiver sob garantia.

22. Onde posso encontrar as músicas da aula de Power Jump?

Na verdade você não encontra as músicas em exposição, este material só os professores treinados pela Body Systems possuem.

Eles pagam para fazer um treinamento e assim tem direito a um CD com as músicas, o manual do professor e o uso da marca do programa, e ainda pode ministrar aulas em academias licenciadas neste programa.

Se algum professor passar as músicas do cd para alunos ou pessoas que não ministrem aulas deste programa, ele estará praticando a pirataria que pode ocasionar em um processo judicial caso seja descoberto.

Caso você queira o nome das músicas para conseguir as versões originais, seja pela internet ou pela compra de cds do artista original, não tem problema você pode pedir para seu professor, mas lembre-se apenas o nome das músicas, ok.

23. Preciso saber onde posso adquirir roupas personalizadas do Power Jump.

Somos representados pela empresa Corpo e Forma, uma revendedora com licença para produzir e vender as roupas dos nossos programas. Você pode entrar em contato com eles através do site www.corpoeformavirtual.com.br

24. Quais as restrições aos praticantes para a aula de Power Jump.

Saiba que todas as nossas aulas podem ser freqüentadas por alunos aptos a praticarem uma atividade física, lógico com o interesse de participar de uma ginástica de grupo. Estas pessoas aptas precisam ter a passagem e liberação feita pela avaliação física da academia e/ou avaliação clínica particular.

As únicas pessoas que não podem praticar nossas aulas são as pessoas com presença de alguma patologia cardíaca.

Pessoas com labirintite não medicada e problemas nas articulações do quadril, joelho e tornozelo devem passar por uma avaliação clínica para analisar o grau da lesão e praticar a atividade recomendada.

Gestantes após saberem deste estado devem parar a prática do Power Jump.

25. Qual o tipo de calçado recomendado para a prática do Power Jump?

Precisamos entender qual o objetivo da aula Power Jump: Você deve executar os movimentos em cima do mini-trampolim com o “pé chapado”, ou seja, o seu pé deve pisar na superfície elástica em inteiro para que a estabilidade do seu corpo seja grande, pois todo o peso do seu corpo está sobre seu pé e toda força deve ser feita com o calcanhar. Consequentemente o solado do tênis não pode ser com diferenças como encontramos em alguns tênis que tem a parte do calcanhar mais alta. Ainda, com o solado do calcanhar alto o seu corpo é projetado para frente passando a sensação de estar caindo ou sendo empurrando para frente, isso pode inclusive fazer com que perca o equilíbrio e caia.

Procure então os solados baixos e iguais em toda sua plataforma.

26. Qual a idade mínima e máxima para uma pessoa fazer o Power Jump?

Primeiramente isto é uma decisão que a academia deve tomar uma decisão administrativa, pois algumas academias oferecem um horário especial ou atividades especiais para crianças, então devemos indicar tais atividades para as mesmas. O recomendado é que adolescentes aptos a freqüentar uma atividade física possam praticar aulas em academias após os 14 anos. Agora é impossível indicar uma idade máxima, depende muito de cada indivíduo.

Power Jump®, programa desenvolvido pela Body Systems que proporciona condicionamento físico, alto gasto calórico e melhora da postura utilizando o mini-trampolim. As músicas são explosivas e as coreografias simples e com uma ótima didática, permitindo você chegar ao melhor do seu potencial. Power Jump®! A aula que vai fazer com que você de um salto de qualidade em sua vida e te impulsione em direção aos ótimos resultados!

Be Sociable, Share!
© 2014 | Academia Companhia do Corpo – Novo Hamburgo – RS | Site rodando em Wordpress | (RSS) | (RSS) de comentários | Desenvolvido por Marcelo Vetter.
Rua Julio de Castilhos, 246 Centro - Novo Hamburgo - RS - Fone 51 3036-3263